Vinicius Ribeiro - Arquiteto e Urbanista

Desigualdade Habitacional

Desigualdade Habitacional

Vinicius Ribeiro Artigos 5 views 5 min. de leitura

Desigualdade Habitacional
  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook00
  • Compartilhar no Google Plus00
  • Compartilhar no Twitter

Desigualdade no acesso à moradia. É o que vai provocar a nova tabela de valores do programa Minha Casa Minha Vida, da Caixa Econômica Federal, sugerida pelo Ministério das Cidades, que entrou em vigor neste ano.

A estimativa é que o Brasil esteja com déficit habitacional de cerca de 5 milhões de domicílios, sendo 29% concentrado em Regiões Metropolitanas.

Na Região Metropolitana da Serra Gaúcha, por exemplo, enquanto o teto para financiamento em Caxias do Sul passou de R$ 145 mil para R$ 180 mil (aumento de R$ 35 mil), em Farroupilha e Bento Gonçalves o teto caiu de R$ 145 mil para R$ 130 mil. Já em Flores da Cunha, São Marcos, Garibaldi e Carlos Barbosa o valor passou de R$ 145 mil para R$ 100 mil (redução de R$ 45 mil); e para Ipê, Antônio Prado, Nova Pádua, Pinto bandeira, Santa Tereza e Monte Belo do Sul o valor passou de R$ 145 mil para R$ 90 mil (diferença de R$ 55 mil a menos).

Conforme estudo divulgado pela Fundação João Pinheiro, sobre o déficit habitacional 2011-2012, o ônus com aluguel é um dos principais fatores na definição das deficiências do setor, principalmente nas regiões metropolitanas.

Com a redução nos valores do programa, somado ao baixo poder de compra da população de baixa renda, que já está comprometida com pagamento de aluguel, o acesso à moradia fica cada vez mais distante. Se considerarmos ainda o crescimento no número de famílias de baixa renda, sem condições adequadas de moradia, podemos esperar um aumento proporcional no déficit habitacional. Com isso, também será maior o impacto dos deslocamentos de moradia, trabalho e educação, que ocorre na maioria das cidades que compõe a Região Metropolitana. 

A queda no investimento em habitação também impacta na economia, já que atinge a cadeia produtiva da construção civil, desde o poder público até os trabalhadores, inviabilizando o programas nesses municípios.

​Precisamos pensar a Região Metropolitana, a partir do desenvolvimento de todos os municípios que a compõe, não apenas da cidade mãe.​ 

  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook00
  • Compartilhar no Google Plus00
  • Compartilhar no Twitter

Deixe seu comentário aqui: