Vinicius Ribeiro - Arquiteto, Urbanista e Professor Universitário

Segmentação e Regionalização: tendência do mercado turístico

Mudanças de consumo no mercado turístico

Vinicius Ribeiro Artigos 371 views 4 min. de leitura

Segmentação e Regionalização: tendência do mercado turístico
  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook00
  • Compartilhar no Google Plus00
  • Compartilhar no Twitter

O comportamento do consumidor de turismo vem mudando e, com isso, surge um novo desafio para o mercado e para os gestores da área. Existe uma tendência mundial já comprovada que é o da segmentação, a qual atende de forma direta às necessidades e as expectativas dos turistas. Reconhecer essa tendência de consumo é uma importante ferramenta para impulsionar o desenvolvimento turístico de um município ou de uma região.

Obviamente que a segmentação não se dá somente por limites geográficos. Envolve toda e qualquer característica que possa atrair grupos homogêneos: gênero, faixa etária, negócio, compras, cultura, gastronomia, aventura e tantos outros interesses comuns.
Diante da segmentação, a regionalização tem uma vantagem importante, eis que a situação geográfica privilegia a interligação de rotas e roteiros já existentes.

Nos dias atuais e com a economia instável, salvo raras exceções, dificilmente algum município terá recursos financeiros para investir na construção de atrativos grandiosos, como parques temáticos ou monumentos colossais. Por isso mesmo que o aproveitamento dos equipamentos e recursos existentes é uma grande saída. Prática simples e efetiva, pois não é preciso criar algo novo e sim identificar e decidir sobre os recursos instalados e potencializar a sua exploração.

O ordenamento da oferta turística depende da construção de parcerias entre o público e o privado e podem acontecer nos níveis municipal, regional, estadual, nacional e até internacional, de modo a buscar o aumento das oportunidades nas regiões turísticas. Foi nesse sentido que ingressei com o Projeto de Lei de Integração dos Roteiros Turísticos da Região Metropolitana da Serra Gaúcha, contemplando e reconhecendo 34 roteiros que estão distribuídos em 13 municípios desta área do estado. Com a integração, os municípios só tendem a ganhar. Uma vez identificado o segmento, cabe ao planejador da estratégia turística ou ao empresário, estruturar essa oferta e oferece-la no mercado, de acordo com o público identificado. Os investimentos financeiros na regionalização e segmentação tendem a ser menores, ao mesmo tempo em que os ganhos são significativos. Além de aumentar o número de turistas que visitam uma região, eles tendem a aumentar o prazo médio de permanência nos destinos, estimulando a circulação da riqueza ali gerada.

Por vezes, as soluções estão mais ao alcance da mão do que se imagina. Mas para tanto, além da segmentação e da regionalização, os municípios devem investir em outra importante palavra: parceria, seja entre os entes públicos ou com a iniciativa privada. A aprendizagem é contínua e coletiva, mas exemplos ao redor do mundo comprovam que esta é uma aposta certa.

  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook00
  • Compartilhar no Google Plus00
  • Compartilhar no Twitter

Deixe seu comentário aqui: