Vinicius Ribeiro - Deputado Estadual pelo PDT nº 12612

Me desculpem a sinceridade

O Poder Público não aprendeu nada essa semana. Precisamos agir.

Vinicius Ribeiro Artigos 1314 views 5 min. de leitura

Me desculpem a sinceridade
  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook00
  • Compartilhar no Google Plus00
  • Compartilhar no Twitter

O Poder Público não aprendeu nada essa semana. Me desculpem a sinceridade. Há duas coisas que precisamos agir: retorno efetivo dos impostos e mudança de modal de transporte e de matriz energética. Fora disso, permanece a crise de autoridade do Governo, generalizada pela população com toda classe política.

O brasileiro disse chega mais uma vez. Foi assim em 2013. Lembram? Começou com os R$ 0,20 (vinte centavos) na tarifa do transporte coletivo. A diminuição do valor a curto prazo, aumentou a indignação do povo a longo prazo em função do Poder Público, do modo geral, não ter feito a sua parte.

A história atual se repete com outros números. Pergunto: por que nestes cinco anos não cortaram privilégios como auxílio moradia, vantagens, aposentadorias especiais, luxos de poder, prêmios de produtividade, cartões corporativos, fundos partidários? …. Enfim: estrutura pública!

Aqui um destaque: não defendo o estado mínimo, mas sim o estado necessário!

Os brasileiros querem que o seu Governo corte na carne, reduza seus custos, diminua seu tamanho e preste seu serviço de forma eficiente, rápida e com qualidade. Simples assim! Como é difícil falar para quem não quer ouvir. Se o retorno dos impostos que os brasileiros pagam fossem realmente realizados, o brasileiro não se importaria em pagar.

Por outro lado, ficou novamente comprovado nosso grau de dependência da malha rodoviária. Pesquisas afirmam que cerca de 85% dos produtos e serviços são abastecidos por esse modal. A opção pelo Governo Brasileiro na metade do século passado, intensificado pela década de 70, comprova mais uma vez o quanto erramos.  São 70 anos de lobbys impregnados no Serviço Público que precisam acabar. Outras fontes de energia precisam receber redução de impostos como: elétrica, gás natural, hidrogênio, somado as alternativas de transporte público e não motorizado como ônibus e bicicleta.

A discussão está errada. Estamos tentando resolver o problema pela consequência e não pela causa do problema.

Meu respeito a todas as opiniões, todavia, mais uma vez estamos perdendo a oportunidade de receber o compromisso das autoridades com as duas dores do povo brasileiro e do Brasil: retorno efetivo dos impostos e mudança de modal de transporte e de matriz energética. No resto, infelizmente é só discurso.

Me desculpem a sinceridade

  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook00
  • Compartilhar no Google Plus00
  • Compartilhar no Twitter

Deixe seu comentário aqui: