Vinicius Ribeiro - Arquiteto, Urbanista e Professor Universitário

Mobilidade Urbana: Uma cidade sem carros

Como uma cidade sem carros pode melhorar a vida das pessoas

Vinicius Ribeiro Artigos 2525 views 5 min. de leitura

Mobilidade Urbana: Uma cidade sem carros
  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook00
  • Compartilhar no Google Plus00
  • Compartilhar no Twitter

Já imaginou uma cidade sem carros?

Consegue acreditar que isso é possível?

Acredita que uma cidade sem carros pode oportunizar uma maior convivência entre as pessoas?

Pois bem, isso é possível e analisaremos rapidamente as informações de Paris e do estudo realizado há 60 anos pelo arquiteto Donald Appleyard.

Enquanto o Comitê Olímpico Internacional anuncia diversas inovações nos Jogos Olímpicos de 2024, Paris anuncia que a meta da cidade até lá será oportunizar uma cidade sem carros, ou seja, uma cidade sem veículos de combustão a gasolina e diesel conduzidos por particulares e pelo poder público.

O projeto da cidade é ousado. Para nós pode ser distante mas para nossos filhos será realidade. A Paris de hoje será a nossa cidade de amanhã. A cidade elevou o preço dos estacionamentos, implementou ciclovias, reavalia cada metro quadrado na superfície para destina-lo a novos empreendimentos do comercio, aumentando a convivência e os playgrounds. Os administradores entendem que é muito caro para o poder público autorizar estes espaços para o carro estacionado. Ate 2024 os taxis vão funcionar sem motoristas.

Em matéria da Folha on line, o organizador Ross Douglas da Autonomy, uma conferência anual de Mobilidade Urbana, afirmou que a prefeitura quer reduzir os 150 mil carros estacionados na rua sem fazer nada e indaga: “por que você deve usar um veículo para poluir meu ambiente e o de minha família?” Lembra a prefeita Anne Hidalgo ao afirmar que 6500 parisienses morrem por ano devido aos efeitos da poluição. Interessante, não?

O Brasil não mede isso, mas a poluição nas cidades também mata.

Somado a isso tem a tendência da transformação da indústria do automóvel, avanço da tecnologia e da rede de transportes públicos, principalmente do metrô e da implementação de bicicletas elétricas compartilhadas.

Mobilidade Urbana: Uma cidade sem carros

Ao mesmo tempo que Paris dá linha do que vai acontecer na cidade onde moramos hoje, o arquiteto Donald Appleyard nos lembra, que quanto menor for a velocidade dos automóveis e a sua intensidade, maior será o número de amigos e conhecidos que as pessoas terão.

Donald analisou três ruas: intensidade forte, moderada e leve. O resultado foi surpreendente. Na rua com intensidade forte, o número de amigos que as pessoas tinham era de quase 1 (um) amigo e 3.1 (três ponto um) conhecidos para cada pessoa. Para o moderado, esse número cresceu para 1.3 (um ponto três) amigos e 4.1 (quatro ponto um) conhecidos para cada pessoa. E para a rua com intensidade de trânsito leve, o número cresceu mais ainda: 3 (três) amigos e 6.3 (seis pontos três) conhecidos para cada pessoa.

O resultado desta pesquisa demostra o quanto há relações diretas entre automóveis, trânsito e pessoas, e o quanto precisamos repensar estes espaços, principalmente as calçadas. Estas, devem ser espaços de troca que despertem o sentimento de comunidade.

Começar a libertar a dependência que temos com os automóveis é oportunizar a maior convivência com as pessoas. Priorizar os espaços públicos para a convivência é acreditar na melhoria da qualidade de vida e na felicidade das pessoas. Quero ver uma cidade em que as crianças joguem taco, futebol e brinquem nas calçadas e ver as famílias olhando mais para a rua e menos para suas casas.

COMPREENDA O PROBLEMA E A SOLUÇÃO DA MOBILIDADE "HUMANA", baixe agora mesmo um E-book que vai esclarecer o tema em 12 tópicos, baixe o seu:

RECEBER E-BOOK GRÁTIS

  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook00
  • Compartilhar no Google Plus00
  • Compartilhar no Twitter

Deixe seu comentário aqui: