Realidade da Mobilidade Urbana nos municípios gaúchos

Vinicius Ribeiro - Arquiteto e Urbanista

Realidade da Mobilidade Urbana nos municípios gaúchos

Realidade da Mobilidade Urbana nos municípios gaúchos

Vinicius Ribeiro Notícias 114 views 5 min. de leitura

Realidade da Mobilidade Urbana nos municípios gaúchos
  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook00
  • Compartilhar no Google Plus00
  • Compartilhar no Twitter

A Comissão de Mobilidade Urbana, presidida pelo deputado Vinicius Ribeiro realizou um levantamento nos municípios gaúchos que devem fazer o Plano de Mobilidade Urbana.

O levantamento foi realizado de 23 de setembro a 28 de novembro, através do Portal da Assembleia Legislativa do estado do Rio Grande do Sul – www.al.rs.gov.br.

Dos 108 municípios que devem fazer o Plano de Mobilidade Urbana no Rio Grande do Sul, 38,8% responderam a pesquisa.

PRINCIPAIS CONSTATAÇÕES DO LEVANTAMENTO

  • Baixo percentual de investimento dos municípios em Mobilidade Sustentável, com pouco quadro técnico e irrisório destino de recursos em transporte não motorizado e transporte público;
  • 78% dos municípios que responderam a pesquisa não têm Planos Diretores de Mobilidade Urbana;
  • Percentual considerável dos municípios não possui o transporte coletivo legalizado. Destacam-se municípios de 18 a 100 mil habitantes, cujo número que não tem plano é alto; e o percentual de aumento da tarifa foi o maior, independente da redução de alíquotas federais. E, para manter o serviço, utilizam um percentual alto de subsídio municipal – entre 9,5% a 20%;
  • Evolução da tarifa com aumento das gratuidades sem critérios;
  • 1/3 das intersecções semaforizadas possuem semáforo para pedestres;
  • Municípios com maior população não têm política de restrição do uso do automóvel;
  • A prioridade no pedestre e no transporte não-motorizado aparece de forma irrisória e como experimento de Política Municipal
  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook00
  • Compartilhar no Google Plus00
  • Compartilhar no Twitter

Deixe seu comentário aqui: